Vendedores de coco de Vila Velha terão que pagar pelos resíduos gerados

Durante o verão, aumenta o consumo de água de coco entre moradores, visitantes e turistas em Vila Velha. Mas essa atitude, que faz muito bem para a saúde, traz certo prejuízo ao meio ambiente, já que faz aumentar o volume dos resíduos de coco que são descartados pela população.

O descarte faz aumentar o custo da Prefeitura de Vila Velha com a coleta. Por isso, na manhã desta segunda-feira (08), a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsu) realizou uma reunião com 50 vendedores de coco para apresentar informações sobre a coleta e o destino final dos resíduos de coco.

De acordo com a subsecretária Municipal de Serviços Urbanos, Maria Cândida Ramos Donatelli, os vendedores terão um prazo de dez dias para seguir as normas do Código Municipal de Limpeza Urbana, que se referem à coleta, transporte e disposição final do lixo.

Atualmente, todos os custos de coleta, transporte e destinação são arcados pela Prefeitura, mas, a partir desse mês, os vendedores vão pagar uma taxa no valor de R$ 227,38 por tonelada de resíduo de coco produzido. O valor é proporcional a quantidade de resíduos produzidos.

Outra opção apresentada pela Semsu aos vendedores foi a cobrança no valor de R$ 80,00 por tonelada de resíduo levado ao aterro sanitário da CTRVV, localizado na região do Xuri. Neste caso, o vendedor será responsável pelo transporte dos resíduos até o local do descarte.

“Estamos dialogando e orientando os vendedores para que possam cumprir com o que determina a lei.  Para se ter uma ideia, no último dia do ano de 2017 foram coletados 117 toneladas de lixo”, ressaltou a subsecretaria. Ficou definido também na reunião os horários para a coleta dos resíduos, que são: diariamente –  às 07, 10, 15 e 22 horas.”

Direto da Redação, com informações da Prefeitura de Vila Velha