Rede Globo não terá mais a exclusividade sobre a transmissão do jogos da Seleção

“A crise atual é uma herança maldita de presidentes presos, indiciados ou investigados pela justiça e um deles permanece no poder. Será que, em um momento tão crítico, Marco Polo Del Nero tem condições morais para decidir o futuro da Seleção Brasileira?

“E é sempre bom lembrar que a Seleção pertence ao torcedor ao povo. Ela não pertence a nenhum dirigente e, principalmente, aqueles que trabalharam à margem da lei.”

Esse foi o pronunciamento de Galvão Bueno no Jornal Nacional, na noite do dia 13 de junho de 2016. Há menos de um ano, o narrador usava o principal telejornal da emissora para atacar o presidente da CBF. O Brasil havia sido eliminado de forma precoce da Copa América disputada nos Estados Unidos. A pressão era enorme sobre Dunga. Não só sobre ele, como também sobre o governo Dilma Rousseff. A presidente trilhava o caminho inexorável do impeachment.

Clique aqui e leia o artigo de Cosme Rímoli

Fonte:R7.com