Mais uma campanha

Estava aqui fazendo uma análise sobre a campanha presidencial para este ano aqui no Brasil. Será que Lula vem? Muitos acham que não, que o PT já era. E apesar de ainda cedo, alguns nomes surgem por ai.

Vai ser uma guerra de acusações, caso venha o PT. Caso o PMDB de Temer lance seu candidato, as coligações serão engraçadas e cômicas. Esta vai ser a campanha da exposição dos majoritários. Hoje existem motivos de sobra para uma guerra de acusações. Também será decepcionante para eleitores e torcedores.

Os programas sociais oscilam. Ainda tem muita pobreza no Brasil ao contrário do que afirmam petistas e aliados. Há muita coisa ainda para ser desvendada em termos de corrupção e quem participou dessa corrupção. O Governo atual se mostra frágil em determinadas decisões e ações, o que pode prejudicar aliados e possíveis apoiados.

La fora tanto Obama no governo anterior dos Estados Unidos, quanto o Trump no governo atual usam bastante a Internet. Aliás, foi a Internet que o faz ganhar inadvertidamente nos Estados Unidos. Eles sabem que  os jovens –  maioria na Internet – sempre olham uma coisa ou outra escrita por eles nas redes sociais.

As autoridades judiciais, em especial as que lidam com eleições, já estão atentas as chamadas campanhas pré-eleitorais, que acontecem usando subterfúgios, tanto do governo como dos que ainda tentam ser candidatar.

De qualquer forma, com Lula ou sem Lula, com Bolsanaro ou não e com outros menos cotados, fora os que ainda irão por certo aparecer; a campanha deste ano será diferente, menos enjoativa, menos ocupativa nas mídias de radio e TV, mas com muitas acusações e apelos ridículos. Vamos aguardar.