Empresário de Colatina é preso por desvio de medicamentos e prática de organização criminosa

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), atuou na Operação Medlecy II, que é comandada pelo Gaeco do Ministério Público do Estado de São Paulo. Um total de nove pessoas, entre elas um empresário de Colatina, foram presas última quarta-feira (31) acusadas de desviar medicamentos de alto custo que pertenciam aos órgãos públicos. A investigação aponta que o grupo lucrou R$ 16,5 milhões com a revenda dos produtos para hospitais e clínicas entre setembro de 2014 e maio de 2016.

Segundo o MPES, o empresário colatinense Kildren Batista Rodrigues, sócio da empresa Nutriclin, fornecia medicamentos de origem ilícita que abasteciam os demais membros do grupo sediados em Bauru, enviando os remédios pelos Correios. Esses produtos, conforme se constatou nas investigações, seriam fruto de desvio da empresa Ceonco – Centro de Oncologia de Colatina. Kildren também tem vínculo empregatício com diversas entidades públicas e privadas da área de saúde.

Divulgação PMES
Divulgação PMES

Operação

A Operação Medlecy II é desdobramento das investigações iniciadas em abril de 2015 em Bauru, cidade do interior de São Paulo, e apurou a atuação do grupo criminoso. Os acusados vendiam para clínicas, hospitais e outros estabelecimentos medicamentos de alto custo, utilizados principalmente no tratamento de câncer, que tinham origem ilícita, produtos de furto, roubo e desvio de órgão público. Para isso, usavam empresas de fachada que movimentavam grande quantia em dinheiro.

Foram cumpridos nove mandados de prisão e 16 de busca e apreensão em São Paulo, Goiás, Espírito Santo e Distrito Federal.  Os investigados são acusados de práticas de organização criminosa e crime contra a saúde pública.

Direto da Redação, com informações do MPES