Cresce consumo do ovo depois de desfeita sua ‘má fama’

Mexidos, fritos, cozidos, quentes, poché, omeletes, em massas, nos bolos e pães…, nos seus diversos modos de preparos e usos, o ovo vai bem, é um alimento saboroso, querido, nutritivo, barato, e seu consumo – que já esteve em baixa -, agora está em crescimento. Isso pode ser atribuído a uma campanha mundial de desmistificação da má fama de ‘vilão do colesterol’ que o ovo carregou por vários anos.
Entre as décadas de 1970 e 1980 circulou a notícia de que ovo fazia mal para o coração e muita gente parou de consumir o produto. Porém, vários estudos com mais de 260 mil indivíduos provaram o contrário, mostrando que, na verdade, o ovo faz bem para a saúde.
Entre esses estudos que desbancaram a falsa tese está o que durou entre 8 e 14 anos, realizado na Universidade de Harvard (EUA) pelo pesquisador Frank Hu. Divulgado em 1999 no jornal da Associação Médica Americana, o estudo concluiu que comer um ovo diariamente não aumenta o risco das doenças do coração e nem de acidente vascular cerebral (AVC) em pessoas saudáveis.
Outros estudos também mostram benefícios nutricionais, por exemplo, que o ovo é rico em “gorduras do bem”, que agem na redução do chamado “mau colesterol”.
O aumento do consumo de ovos no Brasil é confirmado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Segundo a entidade, em 2014 foram consumidos 182 ovos por pessoa (per capita); número que se elevou para 191 unidades em 2015. A média de consumo mundial, em 2014, era de 220 ovos por pessoa/ano.

É BOM PARA A SAÚDE
Em palestra durante a IV Semana Tecnológica do Agronegócio (STA), realizada de 12 a 15 de agosto na cidade de Santa Teresa, a consultora do Instituto Ovos do Brasil, Lucia Endriukaite, afirmou que o preconceito em relação ao colesterol do ovo já é coisa do passado. “Estamos em outra fase. Já foram feitos inúmeros estudos científicos desde a década de 1970 até agora, e já está mais que provado que o ovo não é o vilão do colesterol e não faz mal à saúde, se consumido com equilíbrio, assim como qualquer alimento”.
Lucia reforçou ainda: “Já se sabe que o ovo está entre os alimentos mais ricos em nutrientes e é uma ótima fonte para quem busca uma vida saudável. Tem proteína, vitaminas, carotenóides…, então, tudo isso causa inúmeros benefícios para o funcionamento celular do nosso organismo”.

ES é destaque na produção de ovos

A ‘redescoberta’ do ovo, com a verdade restabelecida, favorece a economia do Espírito Santo. O Estado é o terceiro maior produtor de ovos do Brasil. Nesse cenário, o destaque absoluto é para a cidade de Santa Maria de Jetibá, que marca posição nacional como a segunda maior produtora de ovos do país, perdendo apenas para a cidade paulista de Bastos.
Atualmente, são produzidos (classificados) em torno de 13,5 milhões de ovos por dia pelos produtores de Santa Maria Jetibá e região. Organizados, eles contam com o apoio da Coopeavi, Cooperativa Agropecuária Centro Serrana, pioneira em produção de ovos no estado e a maior cooperativa agropecuária capixaba.
A atividade movimenta a economia, gera emprego e renda. De acordo com publicação deste ano da Associação de Avicultores do Espírito Santo (AVES), 70% dos avicultores capixabas são micro produtores.

ovo-site1O MELHOR DO OVO
O avicultor Fábio Fösch, da localidade de São Sebastião do Belém, em Santa Maria de Jetibá, foi o vencedor do II Concurso de Qualidade de Ovos no Espírito Santo de 2016. O concurso, promovido pela Coopeavi, aconteceu durante a V Semana Tecnológica do Agronegócio, em Santa Teresa. Além de Fábio, também foram premiados os produtores Laurentino Kruger e Marciel Guering.