Comunidades do Programa Ocupação Social terão linha de crédito especial

Uma parceria entre o Banestes e a Secretaria de Estado dos Direitos Humanos (SEDH) levará crédito mais barato para autônomos e microempreendedores estabelecidos em áreas onde ocorre o Programa Ocupação Social. Central Carapina, na Serra, será o primeiro bairro a receber essa novidade.

Chamada de CredComunidade Banestes, essa nova opção de crédito foi apresentada nesta terça-feira (20), às 10 horas, na sede do Banco Comunitário Passarela, instalado no próprio bairro. A linha de financiamento vai oferecer um limite de crédito de até R$ 3 mil. A taxa de juros é de 1% ao mês, com prazo de pagamento de até 30 meses e carência de até seis meses.

O crédito será ofertado pelo Banco Passarela e contratado na agência do Banestes de Jardim Limoeiro. Para fazer o pedido, é necessário que o microempreendedor resida em Central Carapina há mais de dois anos e tenha participado de, pelo menos, duas ações locais do Programa Ocupação Social.

Não é preciso ter renda comprovada. A capacidade ou expectativa de capacidade de pagamento é apurada por meio de levantamento socioeconômico. Um ponto importante é que o interessado não pode ter restrições de crédito ativas.

Duas modalidades de crédito estarão disponíveis: capital de giro e investimento fixo. O primeiro serve para dar continuidade às operações do empreendimento, seja para aquisições para o estoque ou para despesas operacionais. Já o outro financia máquinas e equipamentos diversos, além da contratação de serviços específicos.

Como ter acesso

Ter acesso ao CredComunidade é bem simples: basta ir ao banco comunitário. O agente de crédito local faz o primeiro atendimento e visita o cliente, levantando dados do empreendimento. O próprio agente dá seu parecer e encaminha para análise do banco comunitário.

O processo é levado para apreciação do Comitê de Crédito Comunitário, com análise e parecer do gerente do Banestes de Jardim Limoeiro. Se aprovado, o Banestes entra em contato com o cliente para realizar os procedimentos de formalização de liberação do crédito.

“O crédito pode ser usado para compra de equipamentos, como um secador de cabelo para o salão, uma máquina de costura para o atelier, por exemplo. É um projeto piloto, sendo uma forma de gerar oportunidades de empreendedorismo e desenvolvimento local com o acesso mais fácil ao crédito”, destacou a gerente-geral de Crédito para Investimento e Desenvolvimento do Banestes, Daniela Lana.

Com informações da Secom/ES