Agricultores de Barra de São Francisco diversificam produção agrícola com sustentabilidade

Uma família do município de Barra de São Francisco, no Noroeste do Estado está diversificando a produção agrícola em suas terras, por meio de práticas agroecológicas.

Com a orientação do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a conservação da água e do solo é incentivada na propriedade o que tem gerado benefícios para toda a comunidade, no entorno onde vivem.

O agricultor Tiago Saar de Andrade trabalha em sua propriedade em conjunto com sua esposa e seus pais. Atualmente, sua renda é gerada pelo cultivo do café e também da comercialização de produtos na feira do município. “Eu gosto de trabalhar com café. Porém, só o café não dá, pois é uma renda que obtemos apenas uma vez por ano. Por isso, temos as outras rendas que entram toda semana com a comercialização dos produtos na feira”, contou Tiago.

O agricultor falou que sua família faz feira no município há muitos anos. Porém, não havia uma área específica da propriedade para diversificar a produção. “A nossa renda vem das pequenas coisas, como melancia, feijão, milho verde e agora estamos com o plantio de inhame em uma área específica. Para controlar pragas e doenças em culturas de ciclo rápido não usamos nada de veneno. A gente não quer usar, até por fazer parte do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA)”, explicou Tiago.

Segundo o extensionista João Marcos Martins Cardoso, o trabalho do Instituto na propriedade da família Saar e na vizinhança teve início em 2012, por meio do Projeto Ater Sustentabilidade, iniciativa da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), executada pelo Incaper.

“Esse projeto preconiza a sustentabilidade da propriedade rural. A família Saar foi uma das selecionadas e é acompanhada há quatro anos pelo Incaper. Os principais pontos trabalhados com essa família foram a redução do uso de agrotóxicos, priorizando cultivos agroecológicos e a preservação de recursos naturais”, explicou João Marcos.

Segundo ele, essa propriedade já tinha um trabalho de conservação ambiental e já é uma referência para vizinhos e famílias que também participam desse projeto. “A forma de trabalho que essa propriedade vem desenvolvendo é baseada em boas práticas agrícolas e diversificação de culturas. Eles melhoraram a produtividade e muitos produtos colhidos são utilizados na agroindústria e comercializados nas feiras livres”, disse o extensionista.

Ele também informou que essa família participou de cursos de formação em parceria com outras instituições, como o curso de preparação de alimentos.

Direto da redação
Record News / Rede SIM
Com informações do Incaper